Você está aqui: Página Inicial Serviços Tire suas dúvidas

Tire suas dúvidas

Perguntas e respostas

1 - Se souber de alguma irregularidade ligada às eleições, o que devo fazer?

Procure a Procuradoria Regional Eleitoral do estado em que ocorreu a irregularidade ou entre em contato com o promotor eleitoral do seu município. Em alguns municípios há mais de uma zona eleitoral e, portanto, mais de um promotor. Confira a relação.

2 - Quem julga as ações propostas pelo Ministério Público Eleitoral?

As ações propostas pelo Ministério Público Eleitoral são julgadas pela Justiça Eleitoral.

Nas eleições que são de âmbito federal e estadual, as ações devem ser propostas pelos procuradores regionais eleitorais no Tribunal Regional Eleitoral. Nessas eleições, os promotores eleitorais podem receber a denúncia, fazer a investigação, ouvir testemunhas e coletar provas, mas devem encaminhar os documentos ao procurador regional eleitoral para propor a ação ou formular a denúncia por crime eleitoral.

3 - Quem é o chefe do Ministério Público Eleitoral ?

A chefia nacional do MPE cabe ao procurador-geral da República que, neste caso, exerce a função de procurador-geral eleitoral. Nos estados, a função é exercida pelo procurador regional eleitoral, que é designado pelo procurador-geral eleitoral entre os integrantes do Ministério Público Federal.

4 - Quem designa os promotores eleitorais? É um por município?

Os promotores eleitorais são indicados pelo procurador-geral de Justiça (chefe do Ministério Público Estadual) e designados pelo procurador regional eleitoral. A designação dos promotores segue a organização da Justiça Eleitoral, assim, se houver mais de uma zona eleitoral no município, haverá o mesmo número de promotores Eleitorais.

5 - Como saber o que é e o que não é permitido nas eleições?

Para saber o que é e o que não é permitido nas eleições, devem ser observadas as resoluções do Tribunal Superior Eleitoral e a legislação específica.

6 - Há irregularidades na área eleitoral que são consideradas crimes?

A compra de votos é o crime eleitoral mais conhecido, mas inúmeras outras condutas também configuram crime, como:

  • inscrição eleitoral fraudulenta;
  • transporte irregular de eleitores no dia da votação;
  • realizar propaganda eleitoral em locais não permitidos;
  • o servidor público valer-se de sua autoridade para coagir alguém a votar ou não votar em determinado candidato ou partido;
  • violar ou tentar violar o sigilo do voto;
  • destruir, suprimir ou ocultar urna contendo votos ou documentos relativos à eleição;
  • divulgar, na propaganda, fatos que se sabem inverídicos, em relação a partidos ou a candidatos, capazes de exercerem influência perante o eleitorado;
  • caluniar alguém, na propaganda eleitoral ou visando a fins de propaganda, imputando-lhe falsamente fato definido como crime;
  • difamar alguém, na propaganda eleitoral ou visando a fins de propaganda, imputando-lhe fato ofensivo a sua reputação;
  • injuriar alguém, na propaganda eleitoral ou visando a fins de propaganda, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro;
  • inutilizar, alterar ou perturbar meio de propaganda devidamente empregado;
  • impedir o exercício de propaganda;
  • utilizar organização comercial de vendas, distribuição de mercadorias, prêmios e sorteios para propaganda ou aliciamento de eleitores;
  • estrangeiro ou brasileiro que não estiver no gozo dos seus direitos políticos participar de atividades partidárias, inclusive comícios e atos de propaganda em recintos fechados ou abertos.

Os crimes na área eleitoral também são de ação penal pública. Desta forma, apenas o Ministério Público está autorizado a oferecer denúncia ao judiciário por crime eleitoral. Os crimes eleitorais e as respectivas penas estão previstos nos artigos 289 a 354 do Código Eleitoral (Lei 4.737/65). Os artigos 355 a 364 do Código Eleitoral definem como é o processo das infrações.

7 - O que caracteriza a compra de votos? A que penas está sujeito quem praticar  esse crime?

Segundo a Lei 9.504/97, constitui captação de sufrágio (a popular compra de votos) "o candidato doar, oferecer, prometer, ou entregar, ao eleitor, com o fim de obter-lhe o voto, bem ou vantagem pessoal de qualquer natureza, inclusive emprego ou função pública, desde o registro da candidatura até o dia da eleição". Se a irregularidade for reconhecida por sentença judicial, há a cassação do registro ou do diploma e a aplicação de multa.

O Código Eleitoral, no artigo 299, considera crime e prevê pena de reclusão de até quatro anos e pagamento de multa: "dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita".

 

8 - O que é diplomação?

Os candidatos eleitos, assim como os suplentes, receberão diploma assinado pelo presidente do Tribunal Superior, do Tribunal Regional ou da Junta Eleitoral, conforme o caso.

9 - O eleitor pode ser preso no dia da eleição?

Segundo o Código Eleitoral, desde cinco dias antes e até 48 horas depois do encerramento da eleição, nenhuma autoridade poderá prender ou deter qualquer eleitor, exceto se for em flagrante delito ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou, ainda, por desrespeito a salvo-conduto.

10 - O que é proibido na campanha eleitoral?

Showmício e outdoors

É proibida a realização de showmício e de evento semelhante para promoção de candidatos, bem como a apresentação de artistas com a finalidade de animar comício e reunião eleitoral.

Não é permitida a propaganda eleitoral mediante outdoors, inclusive eletrônicos, sujeitando-se a empresa responsável, os partidos, as coligações e os candidatos à imediata retirada da propaganda irregular e ao pagamento de multa.

Uso de objetos

Não são permitidas a confecção, utilização, distribuição por comitê, candidato, ou com a sua autorização, de camisetas, chaveiros, bonés, canetas, brindes, cestas básicas ou quaisquer outros objetos que possam proporcionar vantagem ao eleitor.

Bens públicos

É proibida a veiculação de propaganda de qualquer natureza, inclusive pichação, inscrição a tinta e exposição de placas, estandartes, faixas, cavaletes, bonecos e assemelhados nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão do poder público, ou que a ele pertençam, e nos bens de uso comum, inclusive postes de iluminação pública, sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos. Observação: são considerados bens de uso comum aqueles a que a população em geral tem acesso, tais como cinemas, clubes, lojas, centros comerciais, templos, ginásios, estádios, ainda que de propriedade privada.

Uso de alto-falantes

É proibida a instalação e o uso de alto-falantes ou amplificadores de som em distância inferior a duzentos metros das sedes dos Poderes Executivo e Legislativo, dos órgãos judiciais, dos quartéis e de outros estabelecimentos militares, dos hospitais e casas de saúde, das escolas, bibliotecas públicas, igrejas e teatros, quando em funcionamento.

Emissoras de rádio e TV

Encerrado o prazo para a realização das convenções no ano das eleições (5 de agosto), é vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e em seu noticiário:

  • transmitir imagens de realização de pesquisa ou qualquer outro tipo de consulta popular de natureza eleitoral em que seja possível identificar o entrevistado ou em que haja manipulação de dados;
  • usar trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que degradem ou ridicularizem candidato, partido político ou coligação;
  • veicular propaganda política ou difundir opinião favorável ou contrária a candidato, partido político ou coligação;
  • dar tratamento privilegiado a candidato, partido político ou coligação;
  • veicular ou divulgar filmes, novelas, minisséries ou qualquer outro programa com alusão ou crítica a candidato ou partido político, exceto programas jornalísticos ou debates políticos;
  • divulgar nome de programa que se refira a candidato escolhido em convenção;

A partir de 30 de junho do ano da eleição, é vedado, ainda, às emissoras transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato.
Na internet, é vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga.

 

 

11 - Até quando pode ser veiculada a propaganda eleitoral? O que é proibido no dia da eleição?

Desde 48 horas antes até 24 horas depois da eleição, não é permitida a realização de comícios ou reuniões públicas e a veiculação de qualquer propaganda política na internet ou mediante rádio ou televisão - incluídos, entre outros, as rádios comunitárias e os canais de televisão VHF, UHF e por assinatura.

No dia da eleição é proibido:

  • o uso de alto-falantes e amplificadores de som (crime);
  • a promoção de comício ou carreata (crime);
  • a arregimentação de eleitor ou a propaganda de boca de urna (crime);
  • a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos (crime);
  • a aglomeração de pessoas portando vestuário padronizado, bem como instrumentos de propaganda;
  • os servidores da Justiça Eleitoral, os mesários e os escrutinadores, quando estiverem nas sessões eleitorais, não podem usar roupas ou objetos que contenham propaganda de partido, coligação ou candidato.
 

 

12 - O que é permitido em termos de propaganda eleitoral?
  • A realização de comícios e a utilização de aparelhagem de sonorização fixa são permitidas das 8 horas às 24 horas.
  • A colocação de mesas para distribuição de material de campanha e a utilização de bandeiras ao longo das vias públicas, desde que móveis e que não dificultem o bom andamento do trânsito de pessoas e veículos.
  • O candidato cujo registro estiver sub judice (aguarda decisão Judicial) poderá prosseguir com sua campanha eleitoral, inclusive utilizar o horário eleitoral gratuito para propaganda no rádio e na televisão.
  • Ate a véspera do dia da eleição são permitidas caminhadas, carreatas, passeatas e o uso de carro de som que transite pela cidade divulgando jingles ou mensagens de candidatos.
  • Nos locais de votação, podem constar nos crachás dos fiscais partidários o nome e a sigla do partido político ou coligação a que sirvam, vedada a padronização do vestuário. 
 
13 - O que mais deve ser observado na propaganda eleitoral?
  • A propaganda, qualquer que seja a sua forma ou modalidade, mencionará sempre a legenda partidária.
  • Da propaganda dos candidatos a presidente da República, a governador e a senador, deverá constar, também, o nome do candidato a vice-presidente, a vice-governador e dos candidatos a suplente de senador.
  • A propaganda eleitoral gratuita na televisão deverá utilizar a Linguagem Brasileira de Sinais (Libras) ou os recursos de legenda.
14 - Quais as condutas vedadas aos agentes públicos, servidores ou não, no período de campanha eleitoral? Quais as penalidades a que está sujeito quem assumir as condutas proibidas por lei?
  • Ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou coligação, bens móveis ou imóveis públicos, exceto para a realização de convenção partidária.
  • Usar materiais ou serviços, custeados pelo Executivo ou Legislativo, que excedam  o que está previsto nos regimentos e normas dos órgãos que integram.
  • Ceder servidor público ou utilizar seus serviços para comitês de campanha eleitoral de candidato, partido político ou coligação, durante o horário de expediente normal, exceto se  estiver licenciado.
  • Fazer ou permitir uso promocional em favor de candidato, partido político ou coligação, de distribuição gratuita de bens e serviços de caráter social custeados ou subvencionados pelo Poder Público.
  • nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional, remover, transferir ou exonerar (nos três últimos casos, sem a concordância do interessado) servidor público.

São permitidas:

  • a nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança;
  • a nomeação para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos Tribunais ou Conselhos de Contas e dos órgãos da Presidência da República;
  • a nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até o início do prazo de três meses; a nomeação ou contratação necessária à instalação ou ao funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais, com prévia e expressa autorização do chefe do Poder Executivo;
  • a transferência ou remoção ex-ofício de militares, policiais civis e de agentes penitenciários.

Nos três meses que antecedem o pleito é proibido:

  • Realizar transferência voluntária de recursos da União aos estados e municípios, e dos estados aos municípios, com exceção dos recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para execução de obra ou serviço em andamento e com cronograma prefixado, e os destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública.
  • Com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, exceto em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral.
  • Fazer pronunciamento em cadeia de rádio e televisão, fora do horário eleitoral gratuito, exceto quando, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo.

No ano da eleição é proibido:

  • No primeiro semestre do ano de eleição, realizar despesas com publicidade dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, que excedam a média dos gastos no primeiro semestre dos três últimos anos que antecedem o pleito.
  • Fazer revisão geral da remuneração dos servidores públicos que exceda a recomposição da perda de seu poder aquisitivo ao longo do ano.
  • Distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da Administração Pública, exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior. Nestes casos o Ministério Público poderá promover o acompanhamento de sua execução financeira e administrativa.
Penalidades
  • Ficará sujeito à cassação do registro ou do diploma o candidato, sendo ou não agente público, que for beneficiado com as condutas proibidas acima descritas (ex: uso de bem ou recursos públicos, utilização de mão de-obra de servidor público em situação não permitida, propaganda com verba pública, transferência irregular de recurso, pronunciamento em cadeia de rádio e TV etc)
  • Os agentes públicos que cometerem as irregularidades listadas acima e os partidos, coligações e candidatos beneficiados ficam sujeitos à multa. As condutas também se enquadram como improbidade administrativa e sujeitam os agentes públicos às sanções da Lei 8.429/1992.

* Observação: A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos (Constituição Federal, art. 37, § 1º). O descumprimento configura abuso de autoridade e o responsável, se candidato, pode ter o registro da candidatura cancelado.

-Previsão legal

As condutas vedadas aos agentes públicos e as sanções estão previstas na Lei  nº 9.504/97 (artigo 73) e foram disciplinadas na Resolução TSE n. 23.457/2015.

 

15 - Há outras condutas proibidas?

Segundo a Lei 9.504/97, artigos 75, 76 e 77:

  • nos três meses que antecederem as eleições, não é permitido contratar shows artísticos pagos com recursos públicos para apresentação em inaugurações;
  • as despesas com o uso de transporte oficial pelo presidente da República e sua comitiva em campanha eleitoral devem ser ressarcidas pelo partido político ou coligação a que esteja vinculado;
  • nos três meses anteriores à votação, é proibido aos candidatos comparecer a inaugurações de obras públicas (o infrator sujeita-se à cassação do registro ou do diploma).

 

16 - Como deve ser a prestação de contas dos partidos durante as eleições? Quem fiscaliza?

As contas de candidatos e comitês financeiros deverão ser prestadas à Justiça Eleitoral até 30 dias depois da eleição.
Além disso, durante a campanha eleitoral, os partidos políticos, as coligações e os candidatos são obrigados a divulgar em sítio criado pela Justiça Eleitoral para esse fim na rede mundial de computadores (internet):
- os recursos em dinheiro recebidos para financiamento de sua campanha eleitoral, em até 72 (setenta e duas) horas de seu recebimento;
- no dia 15 de setembro, relatório discriminando as transferências do Fundo Partidário, os recursos em dinheiro e os estimáveis em dinheiro recebidos, bem como os gastos realizados.

A Justiça Eleitoral exerce a fiscalização sobre a prestação de contas do partido e das despesas de campanha eleitoral, devendo atestar se elas refletem adequadamente a real movimentação financeira, os dispêndios e os recursos aplicados nas campanhas eleitorais. Para efetuar os exames necessários à fiscalização, a Justiça Eleitoral pode  requisitar técnicos do Tribunal de Contas da União ou dos Estados, pelo tempo que for necessário.

A Justiça Eleitoral pode:
- aprovar as contas quando estiverem regulares;
- aprovar as contas com ressalvas, quando verificadas falhas que não lhes comprometam a regularidade;
- desaprovar as contas, quando verificadas falhas que lhes comprometam a regularidade;
- julgar as contas como não prestadas, quando não forem apresentadas ou faltarem documentos ou informações essenciais.

A decisão que julgar as contas dos candidatos eleitos será publicada em sessão até três dias antes da diplomação. Rejeitadas as contas, a Justiça Eleitoral remeterá cópia de todo o processo ao Ministério Público Eleitoral para pedir abertura de investigação judicial (artigo 22 da Lei Complementar nº 64). Comprovados captação ou gastos ilícitos de recursos, para fins eleitorais, será negado diploma ao candidato, ou cassado, se já houver sido outorgado.

O Ministério Público Eleitoral e os partidos políticos participantes das eleições poderão acompanhar o exame das prestações de contas.

As regras sobre prestação de contas  podem ser conferidas nas  Leis 9.096/95 e  9.504/97 e Resolução TSE n. 23.463/2015.

 
 
 

 

17 - Onde devem ser depositados os recursos recebidos para a campanha?

É obrigatória a abertura de conta bancária específica em nome do candidato e do partido, para registro de todo o movimento financeiro da campanha, inclusive dos recursos próprios dos candidatos e dos oriundos da comercialização de bens e/ou serviços ou promoção de eventos de arrecadação realizados diretamente pelo candidato ou pelo partido político. É vedado o uso de conta bancária preexistente. O uso de recursos financeiros para pagamentos de gastos eleitorais que não provenham dessa conta específica implicará a desaprovação da prestação de contas do partido ou candidato. Comprovado abuso do poder econômico, na forma do art. 22 da Lei Complementar nº 64/1990, será cassado o registro da candidatura ou o diploma, se já houver sido outorgado.

18 - Há alguma proibição quanto ao recebimento de doações?

É vedado a partido e a candidato receber, direta ou indiretamente, doação em dinheiro, inclusive por meio de publicidade de qualquer espécie, procedente de:

  • entidade ou governo estrangeiro;
  • órgão da administração pública direta e indireta ou fundação mantida com recursos públicos;
  • concessionário ou permissionário de serviço público;
  • entidade de direito privado que receba contribuição compulsória em virtude de disposição legal;
  • entidade de utilidade pública;
  • entidade de classe ou sindical;
  • pessoa jurídica sem fins lucrativos que receba recursos do exterior;
  • entidades beneficentes e religiosas;
  • entidades esportivas;
  • organizações não-governamentais que recebam recursos públicos;
  • organizações da sociedade civil de interesse público.
19- O que deve ser feito com as sobras de campanha?

As sobras de recursos financeiros arrecadados nas campanhas devem ser declaradas na prestação de contas do candidato e, após julgados todos os recursos, transferidas ao partido.
Recebidas as sobras de campanha, os partidos políticos poderão utilizar tais recursos, devendo tais valores serem declarados em suas prestações de contas perante a Justiça Eleitoral, com a identificação dos candidatos.

20 - O que acontece quando os candidatos são inelegíveis?

Os pedidos de registro de candidatura devem ser encaminhados à Justiça Eleitoral (ao Tribunal Superior Eleitoral, quando se tratar de candidato a presidente ou vice-presidente da República; aos Tribunais Regionais Eleitorais, quando se tratar de candidatos a senador, governador, vice-governador e deputados estaduais e federais; aos juízes eleitorais, quando se tratar de candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereador), após a escolha dos candidatos em convenção partidária.

Até cinco dias após a publicação do pedido de registro, o Ministério Público Eleitoral, qualquer candidato, partido político ou coligação podem impugnar o registro. O partido político ou coligação que requerer o registro de candidato considerado inelegível pode indicar substituto, mesmo que a decisão judicial tenha sido proferida após terminado o prazo de registro.

O registro de candidato inelegível ou que não atenda às condições de elegibilidade será indeferido pela Justiça Eleitoral, ainda que não tenha havido impugnação. O candidato que tiver seu registro indeferido poderá recorrer da decisão e, enquanto estiver sub judice (aguardando decisão judicial), prosseguir em sua campanha e ter seu nome mantido na urna eletrônica.

Transitada em julgado ou publicada a decisão proferida por órgão colegiado que declarar  a inelegibilidade do candidato, ele terá o registro negado ou cancelado, se já tiver sido feito, ou declarado nulo o diploma, se já expedido.
Ações do documento